Qualidade de vida na terceira idade

Manter relações sociais e mobilidade na idade avançada é tão importantes para o bem-estar que alguns idosos vão a extremos para manter-se activo, de acordo com pesquisa financiada pelo Conselho de Pesquisa Econômica e Social (ESRC). Pesquisas realizadas durante o desenvolvimento de uma nova medida de qualidade de vida em pessoas mais velhas descobriram que algumas pessoas em seus anos noventa continuaram a jogar bocha com a ajuda de novos joelhos, extensões de braço ou binóculos para ajudar a vencer a visão dupla.

A pesquisa foi conduzida pelo professor Ann Bowling, que se especializa na saúde dos adultos mais velhos. De acordo com a pesquisa, desenvolvida por Ann Bowling, professor de Cuidados de Saúde para Adultos mais velhos em Kingston University Londres e St George, Universidade de Londres, outra chave para a felicidade na terceira idade é desenvoltura e aparelhos auditivos. Um viúvo de 85 anos de idade, disse aos investigadores que havia desenvolvido um chifre de madeira da peúga para que ele pudesse secar entre os dedos após a morte de sua esposa, que costumava ajudá-lo, porque ele não podia dobrar para baixo, e até deu alguns para outras pessoas com o mesmo problema.

Delineando a pesquisa em um debate sobre como medir o que importa para as pessoas, Professor Bowling disse a uma audiência de 200 acadêmicos, decisores políticos, funcionários do governo, fonoaudiologia em Curitiba e representantes de grupos de voluntários que um requisito essencial para lidar com os desafios da idade avançada era construir reservas de apoio social e auto crença. "Estes recursos sociais e psicológicos que as pessoas possam tirar o máximo partido das suas capacidades, oportunidades e habilidades para que eles possam compensar quando eles não podem mais fazer as coisas", disse ela.

Abrindo o debate, a baronesa Sally Greengross, executivo-chefe da International Longevity Centre-UK, disse que o desenvolvimento de métodos robustos de medição da qualidade de vida ajudaria tanto o plano de governo e os indivíduos para o futuro. "Bem-estar significa coisas diferentes em momentos diferentes para pessoas diferentes por isso precisamos de métodos precisos de medida", disse ela. "O objetivo em longo prazo é para descobrir o que pode ser feito para melhorar a qualidade de vida entre os idosos."

Universidades Week 2011 lança na segunda-feira 13 de Junho. Professor Bowling explicou que tinha sido necessário para desenvolver um novo método de medir a qualidade de vida na velhice, porque questionários anteriores tinham invocado perito ou de cima para baixas opiniões e medidas como a renda. Qualidade dos Idosos em vida – um questionário – foi desenvolvida a partir de uma série de entrevistas face-a-face com 999 pessoas com idade acima de 65 anos, amostrados aleatoriamente em toda a Grã-Bretanha durante um período de nove anos, e mais testada com mais duas amostras nacionais, um dos que refletiram diversidade étnica. "Qualidade de vida é um conceito subjetivo então decidimos que era necessário pedir indivíduos mais velhos que suas prioridades eram", disse o professor Bowling.

O evento no Staple Inn Hall em Londres, em 10 de Maio marcou o lançamento nacional de uma série de debates regionais sobre a qualidade de vida na velhice, sendo organizado pela International Longevity Centre-UK e Atuarial, Profissão em parceria com o ESRC.